Entrar | Cadastrar
Artigos
Textos, monografias e materiais didáticos no universo das Danças Circulares Sagradas.
Danças que Curam
Escrevi esse artigo para a Revista Terceiro Milênio, com a intenção de divulgar, contar um pouco do meu caminho e como sinto a Dança Circular Sagrada.
Publicado em: 08/04/2013
Por: Rita Almeida

Quando me perguntam o que é Dança Circular Sagrada, suspiro. É difícil falar, não consigo colocar em palavras o que meu corpo, minha alma, meu ser como um todo sente numa roda de dança. Mas respondo: “Você tem que experimentar, precisa dançar, entrar numa roda, dar as mãos, ouvir a música, sentir. E você encontra melodias das mais diversas tradições, alguns ritmos absolutamente novos ao corpo, aos nossos ouvidos e, junto a isto, os passos, passos muito antigos, passos que nos levam para frente para trás, para a direita para a esquerda, nos giram e nos guiam. Círculos, semicírculos, espirais. Passos que despertam uma nova consciência em você.”

É difícil? Uma boa pergunta, o que pode ser difícil quando você esta inteiro, atento e pronto para se permitir? Não é fácil ou difícil, é o exercício da entrega, o circulo nos leva quando permitimos vivenciar com simplicidade esse momento mágico. Conecte a planta dos seus pés à Terra, seu coração com o Círculo e o topo da sua cabeça ao Céu. E então você vai, e você dança, às vezes troca o pé, mas dança. E quando termina, fecha os olhos e sente que algo se passou, mudou, vem sempre uma nova sensação, especialmente a sensação do pertencimento. A ansiedade se vai, estamos em quietude. Eu sou.

Tenho a ousadia de dizer que meu corpo fica em profundo estado de oração, mas é assim que eu o sinto. Independente das danças serem meditativas, alegres, fortes ou suaves me conecto com essa energia de Cura, acontece naturalmente.

Através do caminho do Sagrado Feminino encontrei as Danças Circulares Sagradas, fiz um treinamento em 1999, em São Paulo, e não parei mais. Dançávamos nos plenilúnios da Chácara Remanso, mas queria mais. Convidei um grupo de amigas e dançávamos na sala da minha casa, arrastávamos o sofá e dançávamos, uma vez por semana. A sala ficou pequena. Fundamos o grupo Rodas da Lua, alugamos uma linda sala na Asa Norte, dançamos lá por 7 mágicos anos, ganhamos um prêmio dos ministérios da Cultura e Saúde, com um trabalho chamado Rodas de Cura, confirmando assim que a dança Cura.

Há 4 anos junto com Andréa Maura, Myridakini e Romeu temos o Espaço Om Tare, onde acontecem as Rodas Abertas todas as segundas-feiras, a Mandala de Tara às terças, Manhãs Meditativas, celebrações de Lua Cheia, Círculos de Tambores, além de várias oficinas e workshops. A dança cura venha experimentar!

Este artigo foi escrito por Rita Almeida em 8 de abril de 2013 às 23:24, e está arquivado em Terapia Complementar.

Outros artigos recentes
20/11/2017
Solidéu e Nigun: será que têm lugar comum com o centro das rodas?
Por: Tatiana Gorenstein
16/10/2017
Meu amor de longe - Dança Circular
Por: Marcela Santos
21/08/2017
A dança como componente curricular nas escolas municipais de Ibirite
Por: RAFAELA MARTINS SEDLMAIER MEDEIROS
02/01/2017
Dança Circular: a experiência que se apresenta – uma forma de linguagem plástica como aproximação à experiência estética.
Por: Tatiana Gorenstein
"O objeto da meditação deve ser movimentado. Na alma, através de exercícios contínuos o caminho da meditação leva de dentro para fora."
Bernhard Wosien
Rede Sociais